A Cartomante, meu inconsciente

November 4, 2013

Estava consultando uma cartomante pra saber o que seria do meu futuro próximo. Ela era linda, meio índia, meio cigana, cabelos pretos lisos e bem compridos, gorda, muito simpática e de vestimentas simples. Durante a sessão ela começava a dançar como se recebesse um espírito, jogando as mãos pra cima de forma epiléptica e a cabeça pra trás. Aí ela me disse com uma voz estranha:
– Você disse que vai pra onde o vento te levar, deixa que eu te mostro o caminho perdido do vento.
Em seguida, me falou como meu ano havia sido sem que eu desse nenhuma informação. Como foram meus amores e como ainda seriam. Me disse tudo.
Fiquei embasbacado e disse que tinha que ir pois meus pais e alguns amigos estavam me esperando pra ir à praia. Paguei-a e dei uma gorjeta de 5 reais. Ela me olhou com a cara meio torta pois esperava uma de 10. Mostrei minha carteira vazia e ela me mandou um beijo, que eu retribui por entre as grades do portão. Fui embora pensando nas coisas que ela me disse.

Aí eu acordei.

Eu jamais iria numa cartomante.

Por que eu iria se eu tenho uma que me atende nos meus sonhos?

cartomanteKris

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

A Liga Gay

O site LGBT mais acessado do Nordeste

sigoescrevendo

Um manifesto de palavras sob a regência de cada momento.

The Art of Viviane Fujita

Illustration • Chocolate • Shoes

Kris Barz Daily

random creations, sketches from a Brazilian artist.

Paulicéia e Desvairada

porque a cidade também é uma mulher

Blog da Itiban

alimente-se

DWRBTZK

"USE YOUR LEGS" W.Shakespeare. ------> dwdwski@gmail.com

Repensado

coletivo de ideias em reconstrução constante

Recordar, Repetir e Elaborar

O de sempre, só que de novo.

sydnikruger.wordpress.com/

Portfolio of Sydni Kruger

Jennifer Edwards

Knitting a Life...Drawcumenting the Days

Mundo de Oz

"Vim pelo caminho díficil, a linha que nunca termina, a linha bate na pedra, a palavra quebra uma esquina, mínima linha vazia, a linha, uma vida inteira, palavra, palavra minha" (Leminski)

AnsiaMente

Sobre irritações e inquietudes